terça-feira, 31 de Agosto de 2010

MANUEL DIAS GOMES cortou duas orelhas em Aldeadávila de la Ribera (Salamanca)!

O novilheiro Manuel Dias Gomes (Foto-D.R./Arquivo
Manuel Dias Gomes foi o triunfador absoluto da novilhada que teve lugar em Aldeadávila de la Ribera no passado dia 27 de Agosto. Manuel estoqueou novilhos de Hermanos Revesado Pernas, sagrando-se triunfador ao cortar as duas orelhas ao seu segundo novilho. Manuel Dias Gomes, depois do importante triunfo no Campo Pequeno a 12 de Agosto, foi agora a vez de Aldeadávila de la Ribera o ver triunfar com uma importante faena, rematada com uma boa estocada e o corte das 2 orelhas.
Manuel foi passeado em ombros no final perante grande apoteose, pois passou praticamente todo o inverno em Salamanca tentando em diversas ganadarias da região, dando nas vistas e deixando bom ambiente agora reforçado com este importante triunfo em Aldeadávila de la Ribera, (Sala-manca/Espanha).
Manuel Dias Gomes alternou com o novilheiro Juan Millan: ovação e bronca.
Somando por triunfos as ultimas actuações sai também reforçada a ilusão e a esperança numa promissora carreira além fronteiras de Manuel Dias Gomes!

domingo, 29 de Agosto de 2010

BILBAO - Ponce corta uma orelha e colhida de Iván Fandiño e do bandarilheiro Mário Romero

Colhida de Iván Fandiño (foto burladero.com)
Na corrida que teve lugar ontem (28 de Agosto)  na Praça de Vista Alegre (Bilbao), Enrique Ponce assinalava a sua 50ª corrida toureada na praça bilbaina e cortou uma orelha ao 2º touro do seu lote, tendo que matar o 6º por colhida do seu alternante Iván Fandiño. Também neste mesmo festejo o bandarilheiro Mário Romero sofreu uma colhida.
Lidaram-se touros da ganaderia salamantina de Puerto de S. Lorenzo, duros e com muito perigo nos astifinos pitóns.

ESCOLA DE TOUREIO JOSÉ FALCÃO EM ALBACETE (Espanha)

A Escola de Toureio José Falcão de Vila Franca de Xira, participa no III Encontro Mundial de Escolas Taurinas na cidade espanhola de Albacete, que se realiza nos dias 2,3 e 4 de Setembro. O aluno Tiago Santos que foi o designado pelo maestro Victor Mendes para representar a Escola José Falcão, toureia no dia 3 de Setembro, os novilhos são da ganadaria de Sónia Gonzalez.
Participam neste encontro mundial as escola de Arles e Nimes (França) José Falcão (Portugal) Aguascalientes e Txacala (México) e as escolas espanholas de Albacete, Badajoz, Benidorm, Castellón, Jerez de la Frontera, Madrid, Málaga, Murcia, Toledo, Salamanca e Valencia.
Vão realizar-se 3 novilhadas, na praça de Albacete e várias conferências, através dos directores e professores das escolas taurinas e o presidente da câmara de Albacete.


"Procuna" na Conferência de Imprensa da Empresa da Moita

"Procuna" com o empresário e o ganadeiro

O Matador Luís Vital “Procuna” esteve presente na conferencia de imprensa de apresentação da feira taurina da Moita que se realizou num dos mais castiços, reconhecidos e prestigiados restaurantes da região, a famosa Casa das Enguias da família Barata onde o anfitrião António Manuel Barata recebeu todos com pompa e circunstancia. António Manuel Cardoso “Nené”, deu as boas vindas aos presentes e fez uma importante introdução da feira e dos cartéis que montou. Presentes quase todos os ganadeiros da feira, alguns cavaleiros ou seus representantes, dois matadores, cabos dos grupos de forcados anunciados, diversos órgãos de comunicação social, membros da comissão de festas em Honra de Nossa Senhora da Boa Viagem e membros dos corpos sociais da Sociedade Moitense de Tauromaquia, proprietária da Monumental Daniel Nascimento, pois trata-se da maior e mais importante feira taurina nacional, como tal era da mais elementar importância a presença de todos. “Procuna” marcou presença como não podia deixar de ser, usou da palavra mostrando-se ilusionado na sua presença na corrida dos matadores alternando com Maestro Vítor Mendes e esse colosso das bandarilhas que é Juan José Padilla. Um cartel de figuras na mais importante feira taurina nacional. Luís “Procuna” e seus alternantes irão lidar uma escolhida corrida de Falé Filipe, ganadaria muito apreciada pelos diestros muleteros, será a única corrida completa com ferro nacional a ser lidada na Moita em Setembro. “Procuna” terminou desejando SORTE a todos no geral. No fim do excelente repasto com que a empresa brindou todos os convivas, “Procuna” posou para a fotografia em conjunto com a empresa e o ganadeiro Carlos Falé Filipe.

ÉVORA - 11 SETEMBRO CASAS DO BENFICA

Touro Palha a lidar nesta Tourada
Click na imagem

sábado, 28 de Agosto de 2010

Campo Pequeno, 26 de Agosto

Na despedida de Gonçalves…o gesto de Ferrrera





Neste país de brandos costumes, do constrangimento, do medo de assumir-se, do ser mais fácil criticar do que fazer, António Ferrera protagonizou um dos momentos mais bonitos da despedida de José Luís Gonçalves: Sacou perante a passividade de aficionados e quadrilha o seu companheiro e alternante desta noite aos ombros pela Porta Grande do Campo Pequeno... algumas vezes aberta em momentos de menor significado.



Fim do mês de Agosto com muitos emigrantes já de regresso ao trabalho e a fatalidade de um país onde, pese a teimosia de alguns, o toureio a pé não tem expressão, o Campo Pequeno não encheu (meia casa forte). Não estava a televisão ou as revistas do jet-set, faltou o público da sombra, onde calcule-se, costumam tomar assento muitos daqueles que andam por Sevilha, Badajoz, Mérida ou Olivença.
Dois touros de Passanha. O primeiro de grande nobreza e som que João Moura aproveitou em especial com o Castella, fazendo gala dos seus recursos e conhecimentos do touro e dos terrenos. Galopes a duas pistas, invertendo por dentro para continuar desta vez, com a montada com a cabeça não pelas tábuas mas para dentro. Cites de largo para encurtar distâncias e deixar os ferros para todos os gostos.
No segundo, que tinha problemas de locomoção nos quartos traseiros, sacou o Merlin que, com a sua espectacularidade, chegou ao público para fechar uma presença mais na primeira praça do País desta primeira figura do toureio mundial. Goste-se ou não do seu estilo mas sempre generoso, em "maestro e empolgante.
Os forcados do Aposento da Moita, comandados por Tiago Ribeiro, cumpriram perante os “Passanhas” ao realizarem duas pegas à segunda tentativa.
O ganadeiro Filipe Falé enviou quatro touros para a lide a pé. O primeiro do lote de José Luís Gonçalves teve muita classe, sobretudo pelo piton direito, o que permitiu o toureio de mão baixa, templado e com essa estética deste toureiro que o “país taurino” nunca mereceu. Séries templadas e ligadas, rematadas com toureiria eram para deixar roucos os aficionados ao gritarem olés. Ligou ainda muletazos profundos pela esquerda mas, na realidade, o pitón do touro era o direito. Duas voltas ao ruedo lisboeta para o toureiro nascido em Angola exigiu o público posto de pé a aplaudir.
Mais reservado, servindo mas com menos qualidade o segundo e último da sua carreira (Encarregado nº 42 de 522 kilos), em que José Luís Gonçalves deixou dito que não foi, apenas e só, um toureiro de arte, um toureiro com pellisco mas que, quando necessário, era toureiro para pregar o arrimón, colocando-se nesse terreno de cercanias onde espremeu o de Filipe Falé, em especial com aqueles sentidos naturais.
O seu alternante, António Ferrera, toureiro estremenho feito em Portugal, com o corpo cosido a cornadas, por essas praças do Planeta dos Touros, aproveitou o primeiro mais potável para dar ao povo aquilo que o povo gosta: espectacularidade com toureiro variado de capote, tércio movimentado de bandarilhas e séries para o conclave com a muleta. No segundo, Ferrera mostrou porque se mantêm ao longo deste anos em muitas das principais feiras de Espanha. O touro não rompia para a frente, ficava-se e ponteava no capote. Depois do tércio de bandarilhas porfiou e, aos poucos, foi-lhe alongando os muletazos e o touro começou por seguir a muleta até ao fim. Seguiram-se as séries com mais qualidade pela mão esquerda. Depois da sua merecida volta veio o detalhe: sacar José Luís Gonçalves aos ombros pela Porta Grande do Campo Pequeno.
Click nas Imagens para melhor visionamento





António Ferrera saca a ombros pela Porta Grande
José Luís Gonçalves que se despediu do toureio

quarta-feira, 25 de Agosto de 2010

Amadores de Arronches voltam a triunfar no Norte do País

Grupo de Forcados Amadores de Arronches

Baião, foi mais um ano praça cheia, apesar de uma tarde de chuva e nevoeiro, os aficionados do norte compareceram em força.
Lidaram-se Touros de Herds de Manuel Rafael Cary, que deram extraordinario jogo, permitindo boas actuações aos três cavaleiros em praça, o que fez com o juri delibera-se atribuir exquo o troféu em disputa a Luís Rouxinol, Gilberto Filipe e Marcelo Mendes.
Nas pegas a tarde foi limpa com 6 pegas ao primeiro intento, pelos Grupos de Forcados Amadores de Arronches, Póvoa de São Miguel e Ramo Grande, dos Açores.
Estava em disputa o troféu para a melhor pega, que foi vencido pelo Grupo de Forcados Amadores de Arronches, através da intervenção do seu Cabo Ricardo Nunes ao que abriu a corrida e que foi brindada aos Ex.mos Srs. Herdeiros de D. Manuel Rafael Cary, pegou ainda Fábio Mileu.

António Telles, Diego Ventura e Francisco Palha: Confronto de estilos e gerações

Click na imagem
Depois da triunfal saída em ombros pela porta grande que marcou a corrida da sua estreia, a 1 de Julho, o rojoneador luso-espanhol Diego Ventura regressa esta noite ao Campo Pequeno para confrontar o estilo irreverente do seu rojoneio, com o mais clássico dos cavaleiros portugueses da actualidade, o consagrado António Ribeiro Telles.
Diego Ventura prossegue uma temporada triunfal em arenas de Espanha, França e Portugal, numa demonstração de raça toureira e brio profissional que o elevam ao plano de máxima figura do rejoneio.
António Ribeiro Telles, sem dúvida o mais clássico dos cavaleiros portugueses em actividade, atravessa um momento de grande maturidade artística, rubricando actuações de grande classe.
Confirma a Alternativa o jovem Francisco Palha, cavaleiro que tem vindo a realizar uma interessante campanha em Portugal e Espanha, iniciada com o triunfo no importante certame para novos rojoneadores, na cidade espanhola, de Atarfe.
A tradição da arte de pegar toiros contará com a contribuição dos prestigiados grupos de forcados amadores de Vila Franca de Xira e de Coruche, capitaneados respectivamente por Ricardo Castelo e Amorim Ribeiro Lopes.
Serão lidados seis bonitos toiros da ganadaria de Maria Guiomar Cortes Moura. Procedente da ganadaria dos Irmãos Moura, fundada em 1962, estreou-se em 1963, em Portalegre. Desde 1995 que o seu encaste é Murube-Urquijo, resultante da aquisição, pelos actuais proprietários, de vacas e sementais de “Los Espartales” e da eliminação total do efectivo de outras procedências.

Cartaz de Touros

PÓVOA SANTA IRIA VOLTA A RECEBER CORRIDAS DE TOIROS


Click na imagem
A localidade de Póvoa Santa Iria (concelho de Vila Franca de Xira) volta nesta temporada a receber uma corrida de toiros. Trata-se do regressar de uma tradição há uns anos extinta, e ao qual a tertúlia local “Passe por Alto” com a colaboração da empresa Tauroleve se empenharam e levarão a efeito uma corrida de toiros à portuguesa no próximo dia 4 de Setembro pelas 17 horas por ocasião das Festas em Honra de Nossa Senhora da Piedade.
Num cartel que juntará experiência, juventude e irreverência, anuncia-se a lide de seis toiros da prestigiada ganadaria de Palha – uma das mais importantes do mundo taurino – e que irão certamente dar emoção à corrida. Para lidar os exemplares provenientes da Adema, estarão em praça os cavaleiros Joaquim Bastinhas, Sónia Matias e os jovens cavaleiros praticantes Tiago Martins e Paulo d’Azambuja.
As pegas estarão a cargo dos forcados amadores de Azambuja, Salvaterra de Magos e Alenquer, capitaneados respectivamente por Fernando Coração, Pedro Silva e Jorge Vicente.
Será certamente um grande regresso das corridas de toiros em Póvoa Santa Iria, onde a festa tem indiscutivelmente outro sabor.

terça-feira, 24 de Agosto de 2010

Cartaz de Touros

Click na imagem
Vem o mês de Setembro e com ele a maior Feira Taurina do País: Moita do Ribatejo.
A categorizada Praça de Touros Daniel do Nascimento, palco por onde ao longo dos últimos anos têm passado as maiores figuras do toureio mundial, volta a abrir as suas portas para a realização da sua Feira Taurina de Setembro.
Esta é a única feira onde os aficionados podem assistir a uma corrida essencialmente com toureio a pé: Vitor Mendes (no seu regresso às arenas), Juan José Padilla e Luis Vital "Procuna, três matadores bandarilheiros num cartel só possível nesta praça e nesta Vila aficionada.
Os maiores nomes do toureio a cavalo como João Moura, Diego Ventura e António Telles (entre outros), as melhores ganadarias e os mais prestigiados grupos de forcados. Uma feira a não perder.

domingo, 22 de Agosto de 2010

Alter do Chão – Entre o futebol e os touros, ganharam os últimos

Em noite de Benfica na televisão – com esta equipa não há quem nos ganhe… (?) – e também uma tourada televisionada, era de supor grande dificuldade de acesso de público às bancadas da praça alentejana de Alter do Chão. Com todas estas contrariedades, a tourada de Alter acabou por se impor e registou-se uma meia casa forte.
O espectáculo foi agradável com um curro de Passanha, igual de apresentação e irregular de comportamento. Houve touros encastados mas outros tardos, mansotes, distraídos e com pouca força. Quanto a nós, não justificou a chamada à arena do ganadeiro.
Graças às actuações de Joaquim Bastinhas e Vitor Ribeiro, sempre muito ligados a encherem a cara de cavalo aos touros, sobretudo nos segundos dos seus lotes, não foi tão notória essa nuance.
Joaquim Bastinha que tem um manancial de recursos, no primeiro que se deixou mas por vezes tardo e com algumas recargas, deixou os ferros da ordem que rematou com o par a duas mãos muito ajustado. No segundo tapou o touro com uma lide inteligente, com muita ligação e pisando-lhe os terrenos. Alegria quanto baste. Conhecimento que chegam e a papeleta resolvida pelo cavaleiro de Elvas que viria a finalizar com um par a duas mãos e mais um ferro de palmo.
A moralização e as montadas são meio caminho andado para chegar aos triunfos. Vitor Ribeiro está como dizem nuestros hermanos en momento dulce, e fez gala disso mesmo.
Duas lideis por momentos en rejoneo com galopes a duas pistas, outras invertendo por dentro esses mesmos galopes e recurso a ferros a sesgo quando o primeiro foi para tábuas. Com o segundo ficou para recordar, para além da brega aquele ferro citando, encurtando terrenos e fazer como que um “quiebro duplo” para deixar o ferro que levantou as bancadas.
João Soller Garcia mostrou alguma falta de placeamento, sobretudo no início das lides, para depois de se acoplar vir de menos a mais. Isso foi notório no primeiro do seu lote. Já no segundo depois de ultrapassar essa fase inicial, desenvolveu uma lide agradável, aproveitando esse tranco que o touro tinha e investida franca. Deixou ferros de boa execução que ia borrando no final da lide.
Os Passanhas em alguns momentos revelaram essa dureza que os caracteriza para os forcados. Os Amadores de Alter que se encerraram na sua terra com os seis touros sentiram isso mesmo. No cômputo geral foi uma boa prestação com duas pegas à primeira, duas à segunda, uma à terceira tentativa e uma espectacular pega de cernelha. Esta contou com a ajuda preciosa do campino que é de aplaudir. Não há que parecer, há que ser campino em todos os momentos.

                                                  AS IMAGENS NESTE VÍDEO
video

sábado, 21 de Agosto de 2010

Despedida das arenas de José Luís Gonçalves

O matador de toiros José Luis Gonçalves despede-se das arenas, na corrida da próxima quinta-feira, no Campo Pequeno, na qual o cavaleiro João Moura regressa à primeira praça do país, após dois anos de ausência.
O adeus às Arenas de José Luis Gonçalves
Inicialmente anunciada como a Corrida do Sporting Clube de Portugal, a corrida não levará esta designação por o Sporting jogar na Dinamarca ao princípio da noite da próxima quinta-feira.
O aliciante cartel de dia 26 de Agosto conta também com a presença do matador de toiros espanhol António Ferrera, triunfador das corridas de 17 de Junho, no Campo Pequeno, e de 14 de Agosto, em Coruche e que vem realizando uma excelente temporada em Espanha.
As pegas estarão a cargo do grupo de forcados Amadores do Aposento da Moita, capitaneados por Tiago Ribeiro que pegarão os dois toiros da ganadaria Passanha destinados à lide a cavalo.
Para a lide a pé sairão quatro toiros da ganadaria de Falé Filipe.

sexta-feira, 20 de Agosto de 2010

Agosto Triunfal para Antonio Ferrera

O matador de toiros espanhol Antonio Ferrera que dia 26 repetirá no Campo Pequeno, depois do grande triunfo obtido nesta praça dia 17 de Junho, tem registado importantes triunfos durante o mês de Agosto nas suas várias actuações em Espanha.
O matador António Ferrera em Badajoz
No dia 13, em Huesca, cortou uma orelha ao toiro de Fuente Ymbro que lhe coube lidar, na corrida concurso de ganadarias.
A 15, em Baeza, com toiros de Victorino Martin, o saldo da sua triunfal actuação foi de quatro orelhas e rabo e saída em ombros.
No dia 16 em Játiva, cortou uma orelha a um toiro de Ana Romero e, no dia seguinte, em La Villa de Monbeltrán (Ávila) indultou um novilho da sua ganadaria (La Pelegrina).
Entretanto, a 14 de Agosto, Antonio Ferrera actuou em Coruche com um saldo verdadeiramente triunfal pois foi premiado com quatro voltas à arena.
A sua próxima actuação em Portugal está marcada para dia 26 de Agosto, no Campo Pequeno, na corrida de despedida das arenas do matador de toiros português José Luís Gonçalves.
Completam o cartel o cavaleiro João Moura, que reaparece no Campo Pequeno após duas temporadas de ausência, e os forcados amadores do Aposento da Moita, sendo lidados 2 toiros da ganadaria Passanha para cavalo e quatro de Falé Filipe (pé).
Antes da repetição no Campo Pequeno, Ferrera actua no próximo sábado, dia 21, na feira de San Sebastián, lidando toiros de Victorino Martin, e alternando com Juan José Padilla e Diego Urdiales.

Empresa Toiros & Arena, esclarece situação sobre tourada em Arronches

Da Empresa Toiros & Arena recebemos o esclarecimento que abaixo publicamos na íntegra. Com este comunicado damos aqui por encerrado o assunto, no qual o Planeta dos Touros deixou a sua opinião por uma questão de deontologia jornalística e nos parecer despropositado comparar a situação de Arronches com outras praças que, infelizmente, estão encerradas por interesses sabe-se lá quais e nos parecer uma notícia sensacionalista.
Como aficionado e jornalista nesta área à mais de trinta anos, não posso ficar indiferente às machadadas que alguns políticos dão e outros querem dar na Festa dos Touros. Penso mesmo que se apoiam tanto o futebol (que até é inglês) que é o espectáculo das multidões, porque não apoiar o espectáculo dos Touros ao qual assistem mais de 700.000 pessoas por ano. Nada me move contra seja quem for mas, pugnamos pela verdade dos factos.

Exmos. Srs.

Para acabar com polémicas inexistentes, cabe à Empresa “Toiros & Arena” fazer o seguinte esclarecimento:
A Praça de Toiros de Arronches era uma das mais “queimadas” do Alentejo, à semelhança de Monforte, Santa Eulália, Póvoa e Meadas, entre outras; mas para nós foi um desafio quando nos decidimos montar a corrida de Agosto no ano de 2009. Foram poucos os apoios, não houve subsídio por parte da Câmara, mas sim um ligeiro apoio, que é sempre necessário, porque montar um espectáculo de qualidade numa altura destas de crise, sem apoios é um “suicídio” ou então é para alguém que tenha “necessidade de perder dinheiro”...nós não temos! Trouxemos a Arronches um imponente curro de toiros da ganadaria espanhola de José Luís Pereda, que está sempre presente nas feiras de Madrid, Sevilla, Huelva, etc., etc. e as pessoas começaram a acreditar em nós; prometemos e cumprimos e o espectáculo teve muito nível.
Dado o sucesso do evento, fomos convidados pela Associação Amigos da Festa Brava para organizarmos a corrida de toiros do São João, data mais fraca e onde as pessoas ao longo dos anos tinham sido sucessivamente enganadas e praticamente deixaram de ir aos toiros. Nesta data (e muito bem), a Câmara Municipal de Arronches dá uma verba mais significativa a essa Associação para a realização da corrida de toiros e em reunião entre a Empresa, a Exma. Sra. Presidente e o Vereador da Cultura, ficou estipulada a verba, que seria um pouco maior que a do ano passado, com a exigência de que a empresa teria de fazer um bilhete para os reformados. A empresa uma vez mais cumpriu, numa praça com pouca defesa como Arronches, metemos à venda até acabar 125 bilhetes de 12,5€ para os reformados, o que prova a nossa honestidade. Prometemos a maior corrida de toiros dos últimos 10/15 anos em Arronches e foi o que sucedeu com dois dos Aguadulce a rondarem os 600kgs e os outros com mais de 550kgs; uma vez mais prometemos e cumprimos, numa corrida que vai ficar a ser falada em Arronches durante muitos anos. Propusemos o maior desafio de 11 anos de história do Grupo de Forcados Amadores de Arronches e eles aceitaram e venceram; isso significa que também aqui engrandecemos o nome de Arronches. Já agora é importante referir a todos os Arronchenses, que temos ajudado o grupo de forcados da terra a ir a distintos locais da península, como este ano já foi o caso de Rates (Póvoa de Varzim), Morais (Macedo de Cavaleiros) e pelo segundo ano consecutivo a Baião, onde irão no próximo dia 23 e em Espanha a praças importantes como Atarfe (certame televisionado e onde o nome de Arronches foi falado por todo o mundo), Navalmoral de la Mata ou Marbella, entre outras. Se isto não é engrandecer e elevar o nome da vila de Arronches, então não sabemos o que é...
Para não darmos a corrida de Agosto, a qual já tínhamos o cartel formado, toiros, toureiros e forcados contratados, foram várias as razões, entre as quais uma autêntica tentativa de “trucidação” da empresa Toiros & Arena por parte de algumas pessoas de Arronches ligadas à festa e que inclusive já estiveram na organização de corridas de toiros com este subsídio, com cartéis sem interesse e toiros indignos de sair a uma praça; que andaram a espalhar o boato antes da Corrida do São João, de que os toiros não vinham, que João Salgueiro também não vinha... Vieram todos e ficou uma vez mais mostrada a nossa seriedade, embora as pessoas não tenham vindo à bilheteira como seria de esperar. Outra das razões e talvez a principal, é que o apoio acordado verbalmente entre a Câmara Municipal e a empresa ainda não foi totalmente entregue, porque segundo soubemos muito mais tarde não foi aprovado em reunião de câmara, ficando o mesmo valor do ano anterior, no entanto e depois de feitas as contas, o valor recebido este ano foi menor do que em 2009; depois de tantos boatos a falar mal da empresa até compreendemos alguma desconfiança por parte da Câmara Municipal, mas depois da corrida e de termos cumprido todas as nossas obrigações, julgamos que merecíamos uma melhor atenção por parte de quem comanda os destinos do município. Ainda por cima pela maneira como tratamos as pessoas de Arronches em geral e o grupo de forcados em particular.
Que fique bem claro, que não é por não haver apoio para esta corrida de Agosto que nós não damos a corrida, mas sim pelo incumprimento do acordado verbalmente pois para nós a palavra vale!
Compreendemos perfeitamente que quem escreve por vezes tem de defender quem os apoia, mas é importante escrever a verdade! Já agora, julgamos que seria muito bom para a festa de toiros que todas as câmaras apoiassem a montagem de espectáculos taurinos, pois não se coíbem de dar dinheiro a qualquer artista de música e às vezes dinheiro exagerado para espectáculos em “playback”; já que estamos sempre a ir à procura de exemplos de Espanha, qual é a localidade onde se fazem espectáculos taurinos sem apoio das câmaras? Nenhuma...
Voltando ao caso de Arronches e para encerrar em definitivo, temos de louvar a Câmara Municipal pelas obras que fez na praça não se podendo obviamente comparar com Cascais, Estremoz, etc., etc.
Quando nos quiserem de volta a Arronches aí estaremos com todo o carinho do mundo, pois julgamos estar a fazer um trabalho meritório numa praça que ninguém queria nem ouvir falar, mas agora já querem, é o costume da festa em Portugal. O nosso projecto é (era) meter em duas temporadas, Arronches como a “Capital do Toiro-Toiro no Alentejo”, mas pelos vistos para o ano já virão os “abutres” do costume, com os toiros de corda ou os bezerros para não arriscarem um pêlo, mas esses sim são os que ganham dinheiro nos toiros; quem anda com seriedade e a querer dar espectáculos emocionantes arrisca-se a ficar mal visto.

TOIROS & ARENA

quinta-feira, 19 de Agosto de 2010

Tourada no Campo Pequeno

Da empresa do Campo Pequeno recebemos a N.I. (nota de imprensa) que nos dá conta do peso dos touros a lidar esta noite na Praça de Touros lisboeta.
O curro pertence à ganaderia de Manuel Coimbra e os pesos oscilão entre os 474 e 598 Kgs.
Serão lidados pelos cavaleiros: Sónia Matias, António Brito Paes ,Paulo Jorge Santos, Ribeiro Telles Bastos , Duarte Pinto e José Luis Rodriguez
Forcados: Mazatlán (México) Alter do Chão e Beja

quarta-feira, 18 de Agosto de 2010

Não há tourada em Arronches!!!

Sobre a não realização da tourada das Festas da Misericórdia de Arronches, está a levantar-se uma certa poeira sobre o assunto nos blogues da especialidade.

Na realidade, o Município atribui um subsídio a instituições ou associações para ajudar na montagem da habitual tourada do S. João, festas que organiza. Este ano, uma vez mais assim aconteceu. A Associação dos Amigos da Festa Brava – leia-se Grupo de Forcados Amadores de Arronches – recebeu essa verba que foi aprovada em Reunião de Câmara. Como depois chegou ao empresário já não nos diz respeito.
Na realização da tourada que ocorre por ocasião das Festas da Santa Casa da Misericórdia, esse subsídio não é habitual, com a excepção do passado ano por motivos conhecidos dos arronchenses.
Em conversa com o antigo forcado António José Batista, em Alpalhão, este confessou-me do seu desejo de poder vir a montar esta tourada, adiantando-me também que, das duas ou três vezes que organizou este espectáculo, por esta ocasião, nunca recebeu qualquer subsídio por parte do Município de Arronches.

Importa esclarecer que, durante a apresentação da tourada do S. João, aquando da realização do “Mês da Cultura Taurina” o empresário José Brás disponibilizou-se publicamente para montar este espectáculo, não havendo por parte do Município qualquer comprometimento sobre essa possibilidade.
Lamenta-se se vier a verificar-se que não haverá este ano a tourada nesta data mas, a verdade é esta. Não tenho procuração para defender posições mas, estas poeiras só vêm contribuir para que alguns autarcas se possam retrair no momento de ajudar a Festa.
Também a Santa Casa da Misericórdia é uma instituição de solidariedade e não pode atribuir subsídios para montar uma tourada. É bom lembrar, para os que têm a memória curta, ou a idade não lhes permite ter este conhecimento que, antigamente, se realizavam com toda a pertinência festivais benéficos para instituições como Hospitais, Albergues, Misericórdias etc. Agora não se pode pensar que os empresários têm que ser subsidiados para exercerem uma actividade que fazem livremente e cujos benefícios e prejuízos devem correr por sua conta.
Importa ainda esclarecer que, a Câmara Municipal de Arronches, investiu este ano uma avultada verba em obras de benefíciação na Praça de Touros de Arronches, pese esta ser propriedade particular. Para as fazer, chegou a acordo com o proprietário senhor Francisco Romão Tenório. Não é de todo justo estar a colocar tudo no mesmo saco, fazendo comparações absurdas com os casos de Cascais ou Estremoz. 

LIDES CAMPERAS

video

Ao longo da criação do touro de lide, em cada uma das suas fases são vividos pelo ganadeiro momentos de grande expectativa, que vão desde o nascimento do bezerro, a ferra, tenta de machos, apartar e embarcar a corrida e, depois, o comportamento do touro na Praça.

Na Herdade de Font’Alva, propriedade do ganadeiro José Luís Sommer D’Andrade, acompanhámos o embarque de uma corrida.
São esses passos que trazemos na sequência destas imagens (ver no vídeo), e que tentamos dar ao conhecimento dos aficionados, a quem não lhes é possível assistir a esta Lide Campera, uma das muitas mais que se desenvolvem numa ganaderia de bravo.
Entre a poeira, os touros, com os cabrestos e maiorais, são conduzidos até à praça de tentas, onde serão separados, identificados pelo número e pesados um a um, para depois, entrarem nas jaulas do camião preparado para o efeito, que os levará à praça para serem lidados.
Aqui acaba a responsabilidade do ganadeiro... mas não as suas preocupações com os seus touros.

terça-feira, 17 de Agosto de 2010

Cartaz de Touros

Click na imagem

Rádio Campanário - Vila Viçosa

Tal como vem sendo habitual, a Rádio Campanário – Voz de Vila Viçosa emite às terças-feiras à noite o programa “Tauromaquia”, em 90.6FM ou então em www.radiocampanario.com.
Na emissão de hoje, Hugo Calado irá estar à conversa com o cavaleiro praticante Mateus Prieto, que tem vindo a dar nas vistas nos últimos tempos.
Para além da conversa com Prieto , poderá ainda ouvir várias noticias de festa brava, bem como a habitual rubrica Baú do Aficionado e ainda as crónicas das corrida do passado fim-de-semana.
Tudo isto e ainda toda a actualidade taurina a partir das 21 horas em 90.6FM ou então em http://www.radiocampanario.com/, um programa que será antecedido por fados e flamencos a partir das 20 horas.
Sintonize a Rádio Campanário, a primeira e única no Alentejo com o estatuto de Utilidade Pública.

Associação de Jornalistas Taurinos. Sim ou não (!?)

Num "desafio" (pensamentos) lançado por Flávio Oliveira, actual director do site tourobravo.com, que pretende dinamizar, não fiquei indiferente às suas questões pertinentes e dei este meu pequeno contributo.


Li com atenção o teu artigo que acho interessante, sobretudo as interrogações que são pertinentes.
Ao contrário daquilo que julgas, talvez pela idade, já houve algumas tentativas para reunir numa associação aqueles que, embora de uma forma pouco organizada, têm a “missão” de informar sobre os acontecimentos taurinos em Portugal.
Penso que foi pelos anos oitenta que um grupo, do qual fui um dos impulsionadores, tentou criar uma associação que englobasse os críticos/cronistas, fotógrafos e escritores de tema taurino. Penso que o nome era esse mesmo: Associação de Críticos, Fotógrafos e Escritores Taurinos – ACFET.
Na ocasião, foram endereçados convites para uma pequena abordagem à criação desta entidade que teria forma jurídica através de estatutos que iriam regular a actividade. Esse primeiro encontro teve lugar em Vila Franca de Xira, na redacção do jornal taurino que então dirigia o João Mascarenhas.
Infelizmente só compareceram meia dúzia de colegas. Então, como agora, surgiram as interrogações. Eu, pessoalmente, encontrei algumas respostas e não foi necessária grande reflexão. Estavam e estão instalados interesses na Festa no que à comunicação social concerne, que a muitos não interessa que se modifiquem. Interesses a nível de toureiros e empresas e que estão mais do que referenciados.
A grande maioria dos críticos (?) hoje existentes falta-lhes cultura taurina. Não querem ser desagradáveis para com os toureiros nem para com as empresas. Não querem ou não podem, ser imparciais, porque nos órgãos de comunicação onde escrevem, ou falam, não lhes pagam para desenvolver a sua actividade – mesmo sem estar regulada.
Esta situação não lhes permite, na maioria dos casos, pagar as suas entradas e estão condicionados a estarem ou não, nas simpatias dos empresários e toureiros que sempre lhes arranjam os “passes de trincheira”.
Como condições para criar uma associação que servisse os interesses da classe, em primeiro lugar todos, mas todos, os que de alguma forma exercem esta actividade, deveriam ser possuidores da carteira de jornalista especializado. Esta é uma categoria que a própria comissão da carteira prevê. Em segundo lugar, deveriam estar credenciados pelo IGAC para terem acesso às praças - com os críticos nas bancadas e só os fotógrafos e operadores de imagem nas trincheiras. Isso acontece com os jornalistas desportivos que estão credenciados pelas associações e federação de futebol.

Muito mais havia para reflectir mas, por hoje já aqui fica matéria que julgo suficiente.

Cartaz de Touros

Click na imagem

segunda-feira, 16 de Agosto de 2010

Ciclo de novilhdas das “Oito Nações”

A empresa Taurodelta SA (Madrid) fechou os cartéis das novilhadas que compõem o ciclo “Oito Nações” que terá lugar em Las Ventas de 29 de Agosto a 26 de Setembro.

Concorrem a este ciclo os novilheiros dos países taurinos da Europa e América à excepção do Perú. Daniel Nunes será o representante português e actuará no dia 12 de Setembro, frente a uma novilhada portuguesa de Murteira Grave e cujos cartéis são os seguintes:

Daniel Nunes
Domingo 29 de Agosto. Novilhos de El Retamar para El Califa de Aragua (Venezuela), Alejandro Enríquez (Granada) e Rafael Tejada (Ronda)
Domingo 5 de Setembro - Novilhos de El Jaral de la Mira para Thomas Jouber Tomasito (França), Miguel Manzano (Madrid) e Sergio Flores (México).
Domingo 12 de Setembro - Novilhos de Murteira Grave para Pablo Santamaría (Equador), Daniel Nunes (Portugal) e Jiménez Fortes.
Domingo 19 de Setembro - Novilhos de Francisco Javier Arauz de Robles para Angelino de Arriaga (México), José Arévalo (Valencia) e Juan José Varela (Madrid).
Domingo 26 de Setembro - Novilhos de Hermanos Lozano para Manuel Larios, Santiago Naranjo (Colombia) e Pablo Belando (Murcia).


Cartaz de Touros

Triunfo de Moura Jr, em Herrera del Duque/Badajoz

Foto por:  Andalucia TV
João Moura Jr. cotou-se como o triunfador da corrida de rejoneo que teve lugar ontem (dia 15) em Herrera del Duque (Badajoz) ao cortar um total de quatro orelhas.
Lidaram-se novilhos/touros da ganadaria do Conde de La Corte, irregulares de apresentação e de jogo desigual. Alternaram com Moura Jr., António Domecq (aplausos-2orelhas) e Manuel Lupi (volta-aplausos).
O cavaleiro de Monforte teve duas lides de muito interesse e sobretudo muito certeiro com o rojão.
O espectáculo foi televisionado pelo Canal Extremadura TV e retransmitido pelo Canal Sur (Andalucia).

sábado, 14 de Agosto de 2010

Vivências – Eu e…”El Cordobés”

"El Cordobés numa volta ao ruedo triunfal em Burgos
Os toureiros e, neste caso os matadores de touros, para além da técnica que obviamente têm que dominar, da arte que possam levar dentro, sempre aliada à plástica e formas de interpretar lances e passes, distinguem-se uns dos outros pela sua personalidade.
Há no entanto um que, nos últimos anos, e possuidor de um nome quase diríamos de lenda, se distingue dos demais: Manuel Diaz “El Cordobés”. Personagem controverso, fora do toureio ortodoxo (como já o foi o seu presumível pai Manuel Bénitez) mas que tem cimentado uma já longa carreira.
Lançado nos seus inícios pelo não menos controverso empresário e taurino Paco Dourado, “El Cordobés” conquistou um espaço próprio dentro do toureio actual.
Toureiro popular ou populista, como se queira, Manuel Diaz transmite nos ruedos uma certa frivolidade, quase que uma”profanação” daquilo que deve ser o toureio ortodoxo.
Figura indispensável nos cartéis de feiras de menor importância, não deixa de ter o seu público, e quando prescinde dos desplantes como o “salto de la rana” e outros que improvisa no momento, tem o condão de chegar ao público que vai aos touros para se divertir e “pasarlo bien” como dizem os espanhóis.

O autor com "El Cordobés na Ilha Terceira/Açores
Tive o privilégio de privar com este personagem nas Sanjoaninas na Ilha Terceira, já no longínquo ano de 1997. Depois de sermos apresentados na Residencial Cruzeiro, onde estávamos instalados, “El Cordobés” inteirou-se que eu tinha carro e, com a sua espontaneidade, pediu-me se eu não o levava a dar uma volta pela ilha.
Passámos uma manhã juntos percorrendo os locais mais importantes da Ilha Terceira. Esse convívio, embora fugaz deu-me oportunidade de lhe fazer perguntas como a relativa à suposta paternidade atribuída a Manuel Bénitez. Respondeu-me sem rodeios dizendo que, como qualquer filho, ficaria feliz de que o pai o reconhecesse como filho mas, como infelizmente não tinha sido possível, respeitava-o como figura do toureio que foi mas, ele, Manuel Diaz “El Cordobés”, apodo que ostenta legalmente, continuaria a sua vida como homem e toureiro.
Nessas horas de convívio revelou-se-me uma pessoa com um sentido humanista extraordinário, com um bom senso digno de registo, não só quanto à sua profissão como a tudo que o rodeia. Quanto à sua profissão confessou-me que se interpretasse o toureio mais ortodoxo, como ele haviam muitos em Espanha, por isso ao ser Manuel Diaz “El Cordobés” tinha um selo próprio... e logo diferente. Isto não impedindo que, sempre que se proporcionasse toureasse de forma mais sentida, aquela que cada toureiro leva dentro. Manuel Diaz “El Cordobés” uma personalidade que me tocou conhecer e com ele conviver, ainda que fosse num único dia. Mais tarde encontrámo-nos no Campo Pequeno e recordámos estes momentos que vivemos na Ilha Terceira, essa ilha bela e aficionada.



Manuel Dias Gomes triunfou no Campo Pequeno.

Manuel Dias Gomes na volta ao ruedo
da Praça do Campo Pequeno


Em noite de triunfos o novilheiro Manuel Dias Gomes bordou o toureio na arena da capital, no festejo realizado na passada quinta-feira.
Manuel aproveitou as condições do oponente para se arrimar numa faena importante, vindo sempre a mais, conectando com o público de uma forma entusiasta e de grande impacto. Por ambos os pitons, os muletazos tiveram classe, profundidade e ligação, e as tandas bem rematadas numa faena superior.
Manuel Dias Gomes vestido de verde e ouro lidou o novilho “Fumador” com o número 69 e 495 kgs de peso da prestigiada ganadaria de Murteira Grave. Na sua quadrilha actuaram os bandarilheiros Manuel Santos “Becas” e Pedro Paulino “China”, este, autor de um grande par de bandarilhas, no seu segundo.

Um bom derechazo do novilheiro
Manuel Dias Gomes
Alternou com os novilheiros, Nuno Casquinha, volta; Daniel Nunes, volta e João Augusto Moura, volta. Actuaram ainda os cavaleiros praticantes Tiago Martins e Mateus Prieto que mostrou porque quer ser toureiro.
Pegaram os Forcados Amadores de Alenquer (1º) – (2º) que também deram volta.


Cartaz de Touros - S. Manços 28 de Agosto

Click na imagem

Francisco Cortes corta a temporada

Foto - Hugo Calado
O cavaleiro estremocense Francisco Cortes, sofreu esta quinta-feira, uma impressionante queda na sua quinta quando treinava para os compromissos que tinha agendados.
Francisco foi transportado para o hospital de Portalegre, onde foi observado e lhe foi diagnosticada uma “fractura estável de ap. transversais de duas vértebras lombares” e ainda uma “lombalgia pós trauma directa de alta energia”.
Cortes irá assim cortar a sua temporada, pois não poderá montar nos próximos quatro meses.

quinta-feira, 12 de Agosto de 2010

Manuel Dias Gomes no Campo Pequeno.

Click na imagem
O novilheiro Manuel Dias Gomes actua hoje (quinta-feira, 12 Agosto) na Monumental do Campo Pequeno enfrentando novilhos de Murteira Grave.
Manuel, radicado em Salamanca (Espanha), tem intensificado os seus treinos com os olhos postos na noite da próxima quinta-feira onde irá dar o seu melhor com a ilusão no sonhado triunfo!
Manuel Dias Gomes irá alternar com os novilheiros Nuno Casquinha, Daniel Nunes e João Augusto Moura, todos já debutaram com cavalos em Espanha. A cavalo irão estar Tiago Martins e Mateus Prieto. Pegam os Amadores de Alenquer e lidar-se-á um curro de novilhos de Murteira Grave, ganadaria que regressa novamente ao Campo Pequeno depois do êxito que obteve em Julho passado com volta ao ganadeiro no final da corrida. Estão assim montados os ingredientes para uma noite em que Manuel Dias Gomes se irá arrimar e afirmar na primeira praça do país!

“PROCUNA” na Malveira

Click na imagem
O Matador de Toiros Luís Vital “Procuna”, depois do importante triunfo alcançado em Abiul no passado domingo, volta a actuar já na próxima sexta-feira, 13 Agosto na Malveira, por ocasião da Fexpomalveira 2010, a praça irá estar instalada junto ao pavilhão multiusos. No cartel constam nomes como Ana Batista e António Maria Brito Paes, na parte equestre e Luís “Procuna” na arte de Montes. Pega o Grupo de Forcados Amadores de Lisboa comandados por Pedro Maria Gomes. “Procuna” irá participar nesta corrida histórica, pois pela primeira vez se irá lidar um curro de toiros Murteira Grave na Malveira. Com início marcado para as 21.30 hrs, a corrida está a gerar forte expectativa e a ilusão de “Procuna” em lidar toiros de um das mais prestigiadas ganadarias portuguesas é enorme.!

segunda-feira, 9 de Agosto de 2010

Morais (Bragança) Forcados de Arronches vencem prémio para a melhor pega

O Grupo de Forcados Amadores de Arronches venceu ontem (8 de Agosto), o prémio em disputa para a melhor pega na tourada realizada em Morais no Concelho de Bragança. Isto depois da excelente actuação conseguida dois dias antes em Alplahão.
A informação que foi prestada ao Planeta dos Touros pelo seu cabo Ricardo Nunes, dá-nos conta das pegas efectuadas pelo grupo através de Manuel Cardoso e Fábio Mileu à primeira e Filipe Redondo à terceira tentativa. A Pega de Fábio Mileu mereceu do júri a atribuição do prémio em disputa.
O grupo de Forcados da Tertúlia Tauromáquica do Montijo pegou dois touros à terceira e um à primeira tentativa. Os touros pegados pertenciam à ganadaria espanhola de “El Risco”.

Abiúl – 8 de Agosto

O Matador de Toiros Luís Vital “Procuna” actuou ontem, 8 Agosto, com êxito em Abiúl a castiça e mais antiga praça de Toiros de Portugal.
O matador da Moita num derechazo

De triunfo em triunfo repete em nome da justiça e como tal tornando-se um ídolo daquelas gentes que ano após ano, se entusiasmam com a entrega, capacidade e o valor tremendo do matador.
“Procuna" lidou dois toiros de Brito Paes, sendo que a faena ao seu primeiro foi de muita qualidade, alcançando um triunfo importante. Tanto pela direita como pela esquerda, toureou repousado, mandando e rematando com soberbos passes de peito que entusiasmou o publico que quase encheu o castiço tauródromo. Com o capote esteve variado, e com as bandarilhas poderoso como sempre. A quarteio, de violino ou cambiando, levou o publico ao rubro. A encerrar a corrida lidou um oponente menos claro de investida, metendo-se por um dos pitons e adiantando-se nas bandarilhas. O matador esteve á altura e agigantou-se cumprido o tércio. Brindou ao Presidente da Câmara de Pombal e realizou uma faena poderosa, sacando importantes muletazos.
Um par de "Procuna" quadrando na cara

O cartel era constituído pelos cavaleiros Vítor Ribeiro e Manuel Lupi, ambos realizaram duas muito boas actuações dando volta após cada lide. Pegou o Grupo de Forcados Amadores de Montemor comandados por José Maria Cortes e foram caras: António Vacas Carvalho á segunda, João Santos e Tiago Teles de Carvalho de cernelha, Manuel Ramalho e Francisco Borges ambos á primeira. O curro de Brito Paes teve mobilidade e saiu no geral encastado. Registou-se 2/3 fortes de entrada.


domingo, 8 de Agosto de 2010

Terrugem - Mulheres toureiras quase enchem a bonita praça

Os empresários Francisco Leitão e Carlos Calado, que já levam algumas temporadas à frente dos destinos da Praça de Touros da Terrugem, organizaram mais uma tourada integrada nas festas desta bonita e cuidada freguesia do Concelho de Elvas e dedicada à “Mulher Alentejana”, tendo-se registado uma boa entrada de público.



Lidaram-se dois touros e quatro novilhos de Gregório Oliveira. Cumpriu o primeiro e quarto e os restantes mais mansotes a procurarem as tábuas.
Constituiu para nós uma agradável surpresa a postura e noção de lide, quer da praticante Verónica Cabaço como da amadora Maria Mira ao longo das suas actuações, superando com nota positiva as dificuldades dos novilhos que lidaram
Sónia Matias esteve em bom plano com o primeiro do seu lote, o touro mais potável de Gregório Oliveira e superou com cresces as dificuldades do segundo, chegando ao público com os seus já habituais feros em sorte de violino.
Ana Batista está uma toureira feita, mesmo quando a adversidade dos lotes dos touros não lhe é favorável. Esteve por cima do seu primeiro que se adiantava às montadas e pisou terrenos de compromisso ao segundo, um novilho manso e reservado que esteve quase sempre nos terrenos de dentro, onde lhe deixou os ferros da ordem.
Noite de emoções com os forcados de Portalegre com pegas à 1ª e 2ª tentativa (tendo um forcado ficado comocionado por uma pancada forte); Setúbal pegou um touro à 1ª e outro à 3ª, sendo no entanto esta a pega mais emotiva e, finalmente, o Grupo de Monsaraz que se cotou com duas pegas à primeira tentativa.

                                          As imagens da tourada neste video

video

sábado, 7 de Agosto de 2010

Alpalhão 6 de Agosto – Triunfo de Ana Batista e dos Forcados de Arronches

Integrada nas Festas de Verão desta localidade do Distrito de Portalegre, a empresa Gestoiro, levou a efeito uma tourada denominada “Corrida da Mulher” com meia entrada forte, em que alternaram Sónia Matias e Ana Batista, ambas a cumprirem 10 anos de alternativa, a praticante Joana Andrade e os Forcados Amadores de Portalegre e Arronches.


Lidaram-se novilhos/touros bem apresentados da ganadaria espanhola da Dehesa de Guadarrama, propriedade de Felipe Garrigues Chicheri de Brunete (Madrid) e de procedência Sepúlveda/Atanásio. À excepção do último touro do festejo, todos denotaram alguma mansidão, sentido e crença em tábuas.
O triunfo inegavelmente pertenceu a Ana Batista, consubstanciado numa equitação exemplar com a doma das montadas e nas capacidade e conhecimento que estes anos de alternativa conferem à cavaleira ribatejana. Aproveitou o primeiro com uma lide correcta enquanto o touro aguentou, e pisou e colocou ferros de compromisso a sesgo e por dentro no segundo do seu lote. Um touro difícil agarrado a tábuas e com uma mangada a colocar a Ana Batista dificuldades no momento de cravar.
Sónia Matias empregou-se e esforçou-se por agradar perante a mansidão e o adiantar-se às montadas do primeiro, para no segundo, que serviu, andar ligada e entregue (com o cavalo árabe) em que rematou a actuação com um ferro em sorte de violino.
Notaram-se as carências de Joana Andrade inerentes à sua pouca experiência, em especial no primeiro do seu lote. Já no seu segundo e último da função, o melhor exemplar de Guadarrama, conseguiu um que outro apontamento de melhor nota, sem contudo tirar o máximo proveito que o touro permitia.
Nos forcados o triunfo pertenceu ao Grupo dos Amadores de Arronches que demonstraram maior coesão no conjunto das três pegas. Paulo Florentino fechou-se à segunda tentativa, Fábio Mileu arrancou uma grande pega à primeira e, para fechar a actuação, Fábio Meira não deixou os créditos por mãos alheias e consumou com uma rija pega também à primeira tentativa.
Maior dificuldade para o Grupo dos Amadores de Portalegre com Ricardo Almeida a só conseguir consumar ao terceiro intento, André Rodrigues à segunda, e o ressurgido Nelson Nabiça a fechar-se à primeira tentativa. De salientar a grande dificuldade na saída dos touros das tábuas para os cites dos forcados, pelo que foi necessário em algumas situações pisar terrenos de compromisso.